Em Corumbá, programa ensina crianças resistir às drogas

 Prefeitura de Corumbá

  
Solenidade lotou o ginásio do Corumbaense

Mais 845 crianças, todos alunos de 10 escolas da rede pública de ensino, concluíram ontem, sexta-feira, o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd). Esta foi a quarta etapa de um trabalho desencadeado pela Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, através do 6º Batalhão de Polícia Militar de Corumbá, que tem total apoio da Prefeitura Municipal. Desde 2005, o Proerd já possibilitou a formatura de mais de 3,6 mil crianças na cidade.

A solenidade de entrega dos certificados aconteceu no ginásio do Corumbaense Futebol Clube. Presentes ao ato a secretária Maria Lúcia Ortiz Ribeiro, de Promoção da Cidadania, que representou o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira; o sub-comandante do 6º Batalhão, major Cleber Haddad Lane; a coordenadora estadual do programa, Marly Luzardo Rodrigues; a secretária executiva de Educação do município, Lígia Maria Baruki e Melo; secretário executivo de Assistência Social, Lamartine de Figueiredo Costa, além de representantes de organizações militares e entidades que apóiam a realização, e familiares.

Maria Lúcia, durante o ato, enalteceu o trabalho realizado pela Polícia Militar, de contribuir para o crescimento saudável das crianças corumbaenses, “tornando-os resistíveis às drogas, além de serem, a partir de agora, multiplicadores dos conhecimentos adquiridos no curso”. Ressaltou ainda que, programas como este, sempre terá o apoio da Prefeitura de Corumbá, já que faz parte da política administrativa adotada pelo prefeito Ruiter Cunha de Oliveira.

Haddad, por sua vez, lembrou a importância dos parceiros no cumprimento de mais uma etapa do Proerd. Citou a Prefeitura e as empresas do setor de mineração, Rio Tinto e MMX, como aliados fundamentais para a formatura de mais de 800 crianças em Corumbá, e também outras 400 em Ladário, cuja formatura acontece em 14 de novembro.

O programa

O Proerd é um programa primário de prevenção ao uso indevido de drogas, aplicado por policiais militares, que ministram aulas para crianças do 5º ano do ensino fundamental, visando, enquanto atividade preventiva, ensiná-las a resistir ao aliciamento de usuários e traficantes.

Tem como modelo um programa criado pela Polícia de Los Angeles (E.U.A), com estudos feitos por pedagogos, psicólogos e policias, denominado D.A.R.E (Drug Abuse Resistance Education), onde o objetivo é propiciar o envolvimento da escola, da família e da polícia na questão da iniciação ao uso de drogas e da violência pelas crianças, tendo sido adaptado para a realidade brasileira e hoje administrado pelo Conselho de Comandantes Gerais das Polícias Militares do Brasil (CNCG) através da Câmara Técnica do Proerd.

Segundo o sargento Milton de Souza Carvalho, um dos instrutores ao lado do soldado Reinaldo da Silva Soares, durante 17 lições as crianças recebem conhecimentos sobre drogas e as formas de evitá-las, através da utilização de uma cartilha.

Ele informa que o programa foi desenvolvido durante seis meses, através da aplicação de uma aula por semana com recursos didáticos como vídeos, dramatizações, jograis, canções, brincadeiras e outros. A décima sétima aula é justamente a formatura, com a participação da família e da comunidade, com a entrega de um diploma, habilitando o aluno a ser um vetor de difusão dos conhecimentos adquiridos.

Outra grande vantagem destacada pelo sargento é que, além de manter as crianças longe das drogas, a corporação se aproxima da comunidade, já que os policiais militares trabalham com os alunos em sala de aula, fardados, na presença também do professor, fazendo com que haja uma melhor interação entre a PM e a sociedade.

O Programa é ministrado exclusivamente por policiais, que são rigorosamente selecionados e possuem curso de formação de instrutor, estando preparados para trabalhar com crianças de 9 a 12 anos.

Para o pequeno Gabriel de Lima Santos, 9 anos, aluno da escola Izabel Corrêa, o programa “ensina a gente a resistir e ficar longe das drogas. A gente fica conhecendo até a malandragem e que devemos ficar longe dos malandros”, afirmou. Ele fez o juramento do Proerd durante a solenidade.

As amigas Ana Catarina Martins Caldeira e Nathália Rodrigues da Silva, ambas de 11 anos e estudantes da escola Otacílio Faustino, o Proerd mostrou um caminho que deve ser seguido. “Nos ensinou que não devemos mexer com drogas, ficar longe delas”, disse Nathália. Ana completou afirmando que, depois das aulas, aprendeu que “não se deve fumar, ingerir bebida alcoólica” e que já está sendo uma multiplicadora, conversando com os familiares e amigos, mostrando o caminho que “deve ser seguido”.