Corumbá mantém alerta contra dengue e quer população atuando

 Prefeitura de Corumbá

  

 Ações de orientação ajudaram na redução do índice de infestação em Corumbá

Corumbá é uma das quatro cidades de Mato Grosso do Sul com índice satisfatório no estudo que mede a presença de larvas do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue. Está com 0,5%, abaixo do aceitável pela Organização Mundial de Saúde que é de até 1%. Apesar dessa estatística apontada pelo Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) realizado em outubro e divulgado quinta-feira pelo Ministério da Saúde, A Prefeitura Municipal continua em alerta. Nesta sexta-feira, ato envolvendo crianças, estudantes da rede pública de ensino, marcou o Dia D de Combate à Dengue na cidade.

Foi durante uma extensa programação no Centro Popular de Cultura, Esporte e Lazer, que encerrou uma gincana escolar envolvendo oito escolas da região. Serviu também para alertar a comunidade sobre a doença que, este ano, já afetou 52 pessoas na cidade.

“Pelo levantamento de outubro, houve queda em relação a setembro. Fechamos com 0,5% contra 1,4 no mês anterior. Mas, isto não é motivo para comemoração. Temos que continuar o trabalhando, reforçando as ações, para evitar avanço da dengue, principalmente agora, quando aumentam as chuvas”, explicou Marly Brazil, do Centro de Controle de Zoonoses.

Segundo ela, é justamente no período de chuvas intensas que aumentam os focos de proliferação do mosquito. “Esta ação envolvendo as crianças é importante. Elas são multiplicadoras e repassam tudo que aprendem aos pais, amigos, vizinhos”, ressaltou.

Para a coordenadora do CCZ da Prefeitura de Corumbá, a parceria com as crianças é fundamental para atingir toda a população corumbaense. “Vamos intensificar os trabalhos e precisamos da ajuda da população. Sem ela, nosso trabalho é em vão. A população tem que colaborar para evitar que a dengue avance em nossa cidade”, explicou.

Dia de alerta

As atividades no Centro Popular não se resumiram apenas a um trabalho de conscientização sobre a dengue. Serviu também de alerta para outras doenças como a raiva animal, leishmaniose, além  de outras doenças endêmicas.

Todo setor da secretaria executiva de Saúde Pública atuou no local, aplicando inclusive vacinas. Parceiros também se juntaram a esta frente de trabalho, casos da Polícia Militar Ambiental, Anvisa, Vigilância Sanitária e Agência Municipal de Trânsito e Transportes.

As crianças foram brindadas com uma programação diversificada. Foram apresentações de grupos musicais, de fanfarras e até peças teatrais. Um grupo do Centro de Saúde Fernando Moutinho, por exemplo, apresentou uma peça enfocando drogas.

Já a gincana foi vencida pela escola Ângela Maria Peres, com um total de 2.976 peças retiradas do meio ambiente (latas, garrafas de vidro, garrafas pet, pneus e outros tipos de material que acumula água, propício para proliferação do mosquito).

Em segundo lugar ficou o Clio Proença, com 2.684 peças, e em terceiro, Castro Brasil, com 2.647. Quarenta alunos de cada um dos estabelecimentos de ensino, como prêmio, vão ganhar um passeio de barco, à mineradora Rio Tinto e à fábrica de cimentos da Votorantin, respectivamente.