Corumbá desenvolve ação para prevenção à tuberculose

 Prefeitura de Corumbá

  

 Palestra explicou forma de combate e prevenção à doença

Palestra de funcionários da Unidade de Saúde da Família Luiz Fragelli, do bairro Universitário, para moradores da alameda Funcionária da Mista, marcou a passagem do Dia Nacional de Combate e Prevenção de Tuberculose celebrado na segunda-feira, 17. A orientação explicou o que é a doença; quais são os sintomas; e formas de tratamento. Atualmente, Corumbá conta com 70 pacientes cadastrados no programa de combate à doença.

De acordo com a enfermeira Thaís Fernandes, coordenadora do Programa Municipal de Combate à Tuberculose e Hanseníase, o tratamento oferecido pela Prefeitura, através da Secretaria Executiva de Saúde Pública, promove todo o acompanhamento médico do paciente e conta com entrega dos medicamentos. Todo o serviço é gratuito.

“Ao identificar os sintomas a pessoa deve procurar atendimento no posto de saúde onde serão feitos os testes. Confirmada a doença é feito o cadastro no programa e o encaminhamento para o posto de saúde mais próximo da casa do paciente, para o acompanhamento médico e retirada mensal da medicação”, disse a enfermeira. Ela enfatizou que a doença tem cura e tratamento.

Um dos problemas enfrentados é o abandono da medicação, por parte do paciente, antes do término da fase de tratamento – que tem duração mínima de seis meses. “Depois da melhora inicial muitos largam o tratamento no meio”, contou Tatiana de Holanda da Cunha Lima, médica da Unidade, num alerta sobre a necessidade finalizar o período de medicação.

A iniciativa de levar orientação para a comunidade, na avaliação da coordenadora da Unidade Básica, Roberta Chagas da Silva, permite a criação de um vínculo com os moradores do bairro, “que sabem que podem contar com os profissionais do posto Luiz Fragelli”.

A doença

A tuberculose é causada por uma bactéria que ataca principalmente os pulmões, mas podem ocorrer em outras partes do corpo como ossos, rins e meninges. É transmitida de pessoa para pessoa, de forma direta. Ao espirrar ou tossir, o doente expele as bactérias que podem ser aspiradas por outra pessoa.

Entre os sintomas da doença estão a tosse por mais de três semanas seguidas, com ou sem catarro; falta de apetite; perda de peso ; cansaço e dor no peito. O tratamento deve ser feito por um período mínimo de 6 meses, diariamente e sem qualquer interrupção. O tratamento só termina quando o médico confirmar a cura do total do paciente.