Roda de samba empolga na última noite do Festival

O samba reinou na última noite do Festival Pantanal das Águas, ontem, no Porto Geral, unindo carnavalescos do Estado e do Rio de Janeiro numa mistura de influências e troca de experiências que traduziram em um grande espetáculo no palco.

A atração da noite era a gloriosa Portela (Grêmio Recreativo Escola de Samba Portela), uma das mais tradicionais agremiações da cidade do Rio de Janeiro, quarta colocada no carnaval deste ano. Fundada em 1923, a escola conquistou o maior número de campeonatos: vinte e um.

 

A escola carioca subiu ao palco à meia-noite, trazendo ritmistas da bateria – chamada de a ‘Tabajara do Samba’ – comandada pelo mestre Nilo Sérgio. O público cantou antigos sambas-enredos e vibrou com a apresentação do mestre-sala e porta-bandeira e belas passistas mulatas.

Terceira colocada no carnaval corumbaense deste ano, a escola de samba Acadêmicos do Pantanal abriu a roda de samba. Em seguida, se apresentaram as tradicionais Império do Morro e Vila Mamona, vice-campeã e campeã. Uma síntese do melhor carnaval do Estado.

Samba no pé

Foi uma noite de homenagens à memória da carnavalesca Dona Venância Duarte, fundadora da Império do Morro, que morreu em 2007. Sua neta caçula Maria Antônia, de apenas 3 anos, sambou no palco, provando que o amor pelo carnaval vem de berço.

A penúltima escola de samba a se apresentar foi a Vila Carvalho, campeã do carnaval de Campo Grande. Os campo-grandenses homenagearam Corumbá cantando o hino do carnaval corumbaense, ‘Boa tarde, boa tarde’, samba-enredo do bloco Flor de Abacate.