Agentes de trânsito são capacitados para utilizar bafômetro

 Gilson Carvalho/PMC

  
Treinamento acontec eu na tarde de ontem

Os agentes de trânsito da Agetrat (Agência Municipal de Transporte e Trânsito de Corumbá) já estão preparados para utilizar o etilômetro. O aparelho, que mede a quantidade de álcool ingerido pelos condutores de veículos automotores, foi adquirido pela Prefeitura Municipal de Corumbá e desde ontem está à disposição da Agência de Trânsito do município.

Nesta quinta-feira, 23 de outubro, os agentes receberam palestras sobre legislação de trânsito e orientações práticas de como utilizar a máquina. Quinze agentes de trânsito e dez policiais do 6º Batalhão de Polícia Militar assistiram a palestra feita pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

“Hoje os agentes conheceram a legislação pertinente às inibições do consumo de bebidas alcoólicas por condutores de veículos automotores”, explicou Silvana Ricco, diretora-presidente da Agetrat. Segundo ela, o etilômetro foi comprado com o dinheiro arrecadado das multas aplicadas pelos agentes municipais, verba própria da Prefeitura.

A partir da próxima semana, uma campanha de conscientização será realizada em toda a cidade. Após as ações educativas, a Agetrat em parceria com a Polícia Militar iniciam as blitzs repreensivas. “O objetivo deste trabalho é evitar os acidentes de trânsito nas vias da cidade”, completou Silvana.

Etilômetro

Popularmente chamado de bafômetro, o aparelho adquirido pela Prefeitura Municipal de Corumbá é idêntico ao usado pela Polícia Rodoviária Federal.  Ele permite determinar com extrema precisão a concentração de bebida alcóolica em uma pessoa, analisando o ar exalado dos pulmões. Antes de chegar ao município, a máquina foi aferida pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) e pelo Denatran (Departamento Nacional de Trânsito).

O decreto 6.488, assinado pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva em 19 de junho de 2008, determina que o condutor flagrado com uma quantidade de álcool igual ou acima de 0,30 miligramas por litro de ar expelido dos pulmões responderá pela prática de crime de trânsito.

O veículo é recolhido e a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) do condutor é apreendida. Além de ser encaminhado ao Distrito Policial, o motorista pode ser condenado a prisão pelo período de 6 meses 1 ano. Se o índice for inferior a 0,29 mg/l, o condutor é multado em R$ 957, além de ter o carro recolhido.