Solenidade marca 183 anos de independência da Bolívia

 Prefeitura de Corumbá

  

 Cerimônia aconteceu no Jardim da Independência

Solenidade cívico-militar, no Jardim da Independência, na manhã desta terça-feira, 05 de agosto, comemorou os 183 de independência da Bolívia. Autoridades civis e militares brasileiras e bolivianas prestigiaram a cerimônia dirigida pelo cônsul da Bolívia em Corumbá, Luis Fernando Gaya Pereyra. O secretário executivo de Turismo e Relações Institucionais, Carlos Porto, representou a Municipalidade.

Num breve discurso, o secretário de Relações Institucionais afirmou que a Administração Municipal tem “grande satisfação” em comemorar uma “data que celebra a história de um país irmão, com o qual os corumbaenses têm orgulho da convivência diária”. Porto reforçou o compromisso do Município em trabalhar “na busca pela integração” que proporcionará o desenvolvimento sustentável para os dois lados da fronteira.

O cônsul boliviano ratificou a união existente entre corumbaenses e bolivianos. “O povo de Corumbá tem enorme carinho com a Bolívia. A relação aqui é muito especial e nos faz sentir com uma só nacionalidade”, declarou ao confirmar o espírito de integração que impera na fronteira de Corumbá com as cidades bolivianas de Puerto Quijarro e Puerto Suárez.

Gaya aproveitou a cerimônia para destacar o momento político vivido na Bolívia que no próximo dia 10 passará por um referendo em que será votada a continuidade ou não dos mandatos do presidente Evo Morales e dos governadores de departamentos (como são chamados os Estados naquele país).

“A Bolívia está em pleno processo de recuperação da dignidade de seu povo; da soberania e dos recursos naturais”, afirmou. Segundo a autoridade consular, entre as metas do governo Evo Morales também figuram a erradicação do analfabetismo – que deve ser atingida em 2009, nas palavras do próprio cônsul – e o fim da corrupção.

A luta pela independência começou em 1809, mas permaneceu parte da Espanha até 06 de agosto de 1825, quando foi libertada por Simón Bolívar, a quem o país deve o seu nome.