Corumbá trabalha para incentivar aleitamento materno

O setor de saúde pública da Prefeitura Municipal projeta ações de incentivo ao aleitamento materno. O primeiro passo será a realização de uma pesquisa para detectar se as mães estão realmente amamentando seus filhos e por qual período. O trabalho será iniciado junto com a campanha de vacinação contra a paralisia infantil, que será aberta dia 9 de agosto.

Conforme explicações do secretário executivo de Saúde, Cléber Colleone, o levantamento será iniciado dia 9 e terá seqüência durante todo o mês de agosto, nas unidades de saúde existentes na cidade. A pesquisa será importante para desenvolvimento de um programa voltado exclusivamente para saúde das crianças.

“A amamentação é fundamental nos seis primeiros meses de vida. Influencia diretamente na saúde da criança. Por isso mesmo vamos aproveitar a vacinação contra a paralisia, para realizar o levantamento e retirar subsídios para desenvolvimento de um programa importante para redução da mortalidade infantil”, explicou.

Hoje, Corumbá trabalha para reduzir este índice. Em 1996, de cada mil crianças nascidas na cidade, 64 morriam no primeiro ano de vida. Hoje está em torno de 17, graças às ações na maternidade local, o trabalho do Comitê Municipal de Estímulo ao Aleitamento Materno, e a atuação dos integrantes das equipes do Estratégia de Saúde da Família.

Através da amamentação, as mães estarão contribuindo de forma decisiva para a saúde das crianças, por ser um alimento completo, fornecendo componentes para hidratação (água) e fatores de desenvolvimento e proteção como anticorpos e outros contra infecções comuns da infância, isento de contaminação e perfeitamente adaptado ao metabolismo da criança.

O leite humano, em virtude das suas propriedades antiinfecciosas, protege as crianças contra infecções desde os primeiros dias de vida. Além de diminuir o número de episódios de diarréia, encurta o período da doença quando ela ocorre e diminui o risco de desidratação.

O leite humano é fonte completa de nutrientes para o lactente amamentado exclusivamente no seio até os seis meses de vida. A composição química do leite materno atende também às condições particulares de digestão e do metabolismo neste período de vida do recém nascido.

Vários são os fatores que podem determinar variações na composição do leite materno, como: estágio de lactação, parto prematuro, tempo de gestação, esvaziamento da mama, hora e intervalo entre as mamadas, grau de pressão utilizado para extrair o leite, método e horário de coleta das amostras, técnicas de análise laboratorial, intervalo entre as gestações e a ingestão de álcool ou drogas.

A Semana Nacional do Aleitamento Materno será aberta nesta sexta-feira, pelo Ministério da Saúde, no Rio de Janeiro e, em Corumbá, equipes da Secretaria Executiva de Saúde, durante o período, desenvolverão um trabalho de conscientização junto à população feminina.