Clima de férias toma conta do Porto Geral, em Corumbá

 Prefeitura de Corumbá

  
Turistas aproveitam férias para conhecer as belezas corumbaenses

Cercado por seu conjunto histórico arquitetônico e pelo Rio Paraguai, o Porto Geral de Corumbá é referência no período de férias e atrai cerca de mil pessoas por dia, conforme dados da Polícia Militar. Sol, rio, boa música esse é o clima que toma conta da orla portuária e que acolhe todos os tipos de tribos, turistas, comunidade e principalmente estudantes.

Maria Suzana Vargas e Peter Gambate são de La Paz e visitam Corumbá pela primeira vez com seus três filhos. “Sempre tive uma imagem positiva da cidade, através da mídia e relatos de amigos, mas estar aqui é muito bom, a cidade é acolhedora, estamos muito a vontade, relata Maria Suzana enquanto os filhos se divertem na fonte. A família vai ficar em Corumbá três dias, pouco tempo na opinião de Peter, que garante retornar a Capital do Pantanal em agosto e ficar pelo menos uma semana. 

É fácil identificar os turistas, trazem consigo um pouquinho do lugar onde vivem, através do vestuário, das gírias ou sotaques e estão sempre dispostos a absorver ao máximo a cultura local. Através de fotografias, filmadoras tentam registrar as belezas encontradas por onde passam e momentos de descontração.

É assim com o gaúcho Francisco Nogueira, casado com Claudia, que têm como destino a cidade de Santa Cruz de La Sierra, mas tentam aproveitar em dois dias os atrativos de Corumbá. “Vale a pena viajar dois dias para chegar aqui. Conhecíamos a cidade apenas pela televisão, em matérias do Jornal Nacional que falavam sobre pesca e o Pantanal, conta Francisco vestido com roupas tradicionais de seu Estado: camisa, calças largas, conhecida como bombacha, botas e cinto de couro que contempla as belezas do Porto Geral tomando um bom chimarrão. Ele viaja com seu irmão, casado com uma boliviana.

O Casario marcou o final do século passado e testemunhou uma época de efervescência comercial, hoje é um dos principais atrativos turísticos e ajuda a contar um pouquinho da história da cidade que também foi palco da Guerra do Paraguai. Tombado em 1992 tornou-se Patrimônio Histórico Nacional.

Caiaque

Para os mais ativos, que gostam de aliar diversão e aventura, uma boa pedida é o passeio de caiaque pelo Rio Paraguai. Ao custo de R$ 5,00 e com todo material de segurança recomendado é possível remar em caiaques, que combinam estabilidade e lerdeza, por até uma hora. Estes caiaques são confortáveis, fechados e têm em geral comprimento maior que 3,5m. São destinados a quem pretende fazer pequenas expedições ou passeios mais longos.

De acordo com o comerciante Orlando Inácio da Silva, nos meses de junho e julho, a procura por aluguel dos caiaques aumenta em torno de 100%. “Com o passeio as pessoas percebem que tudo isso aqui é delas. Essa conscientização reflete no comportamento e elas passam a ajudar na preservação da cidade”, salienta. 

“Comecei a andar de caiaque para quebrar o tédio de domingo, o astral e a troca de energia com a natureza é muito bom. É como recarregar as baterias, então essa prática ficou constante na minha vida”, explica estudante João Gabriel Nascimento. De férias e com o tempo livre o estudante consegue fazer o passeio com mais freqüência e já influenciou o irmão e mais dois amigos. “Gosto de vir sempre no fim da tarde para assistir ao pôr-do-sol de dentro do rio. É inexplicável por isso levamos câmeras para registrar esse momento e mostrar para outros amigos”, destaca Pedro Nascimento.

O caiaque é uma embarcação desportiva que é utilizado para lazer e competições. Este desporto compreende várias modalidades como velocidade, slalom, adaptada, descida, maratona, oceânica, onda, pólo, rafting e rodeio.