Ruiter cobra ações efetivas e urgentes para combater a violência

  Foto: Marcos Boaventura

  
Prefeito pede envolvimento e amplo debate sobre questão de segurança na fronteira

Preocupado com a onda de violência na cidade, o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira divulgou nota onde pede o envolvimento de todos – poder público e a sociedade – para um amplo debate sobre a questão da segurança pública na fronteira.

Em nome dos cidadãos de bem da sua cidade, o prefeito manifestou-se solidário às famílias que sofrem diretamente as conseqüências da violência, afirmando que se sente no dever de propor “uma séria e produtiva” reflexão visando ações práticas e efetivas para garantir segurança e a paz social.

Lembrou, na nota, o empenho de sua administração em propor acordos binacionais na fronteira para coibir a impunidade. “É hora de sairmos do campo das intenções”, cobrou. Para Ruiter, é preciso, urgentemente, convencer a Bolívia a rever suas leis sobre receptação, “deixando de ser o refúgio, que é hoje, para o produto roubado.”

Íntegra do texto divulgado pelo prefeito:

Segurança Pública: o dever de todos nós

“Corumbá tem chorado a morte de muitos filhos seus. Vítimas de uma violência que nos surpreende dolorosamente. Peço licença para, em nome de todos os cidadãos de bem da nossa cidade, manifestar solidariedade especialmente às famílias que sofrem diretamente as conseqüências dessa violência.

Na responsabilidade de trabalhar para fazer de Corumbá uma cidade melhor, sinto-me no dever de convidar para uma séria e produtiva reflexão que nos leve a colocar em prática ações efetivas de combate à violência, de promoção da paz social. Devemos todos – Município, Estado, União e sociedade organizada – nos envolver neste debate. Estudar e apresentar propostas para minimizarmos os acontecimentos violentos em Corumbá – quando a situação ainda pode ser controlada.

Somos uma cidade fronteiriça e isso nos impõe características muito próprias, desafios que devem ser vencidos e não apenas reconhecidos. Em 2007, realizamos o primeiro encontro de municípios de fronteira e trouxemos para a pauta a necessidade de formar acordos binacionais para coibir a impunidade. É hora de sairmos do campo das intenções. Precisamos urgentemente nos mobilizar para convencer o país vizinho a rever suas leis sobre receptação, deixando de ser o refúgio que é hoje para o produto roubado.

Dentro de casa, os governos também têm mais o que fazer. Recentemente, o Estado reforçou as polícias com viaturas e equipamentos; falta investir mais no próprio policial e aperfeiçoar o serviço de inteligência. Na gestão municipal, além do dever de contribuir com sugestões sensatas e viáveis para a segurança pública, temos a tarefa de melhorar nossos índices de desenvolvimento, no esforço de distribuir riquezas, criar oportunidades e promover a justiça social.

À sociedade, que espera soluções do poder público, também cabe parcela dessa responsabilidade coletiva, denunciando criminosos e exigindo ação preventiva e ostensiva das autoridades competentes.

O convite que faço é também o compromisso que assumo, como um dever de cidadão e de gestor público de Corumbá.“

Ruiter Cunha de Oliveira
Prefeito