Notícias Notícias

 

“Combate à dengue é responsabilidade de toda população”, alerta secretário

17 de Maio de 2018 - 15h52

Comitê se reúne mensalmente para debater ações contra o Aedes aegypti (Foto: Gisele Ribeiro) Comitê se reúne mensalmente para debater ações contra o Aedes aegypti (Foto: Gisele Ribeiro)

Até o dia 11 de maio, foram notificados em Corumbá 149 casos notificados de dengue. Desses, oito casos foram confirmados laboratorialmente e 54 descartados. Os números são bem menores que os registrados em 2017 e 2016, graças ao trabalho conjunto entre o Poder Público e a sociedade civil.

 

“O combate à dengue é responsabilidade de toda população. Os números precisam ser comemorados sim, mas não podemos nos acomodar com eles. Essa é uma luta contínua que todos precisamos exercer dentro de nossas casas, nossos quintais, nossos terrenos”, afirmou o secretário municipal de Saúde, Rogério Leite, durante a terceira reunião de 2018 do Comitê de Combate à Dengue, realizada nesta quinta-feira, 17 de maio, no Auditório da Prefeitura.

 

Rogério lembrou que no mesmo período do ano passado, a cidade apresentava alto risco de infestação de dengue. Atualmente a situação é outra. “Agora estamos em bandeira verdade, o que mostra que estamos no caminho certo, mas também que podemos melhorar ainda mais”, enfatizou, agradecendo ainda a parceria da Marinha e do Exército no combate ao mosquito.

 

A reunião contou com a presença de lideres comunitários e servidores da Secretaria Municipal de Saúde. Durante a agenda, o trabalho executado pela Prefeitura foi detalhado pelos responsáveis de cada área.

 

Boletim

 

O último boletim epidemiológico da Vigilância em Saúde mostrou que durante a Semana 18 de 2018 foram visitados 3.168 imóveis nas atividades de rotina combate ao mosquito Aedes aegypti. Nestes locais, as equipes da Secretaria Municipal de Saúde realizaram a eliminação de focos, com o objetivo de impossibilitar o desenvolvimento do vetor e orientação junto aos moradores para que evitem o acúmulo de materiais que possam favorecer o depósito de ovos do mosquito transmissor da dengue, zika vírus e chikungunya.

 

A equipe de bloqueio químico realizou a borrifação com a bomba costal em 770 imóveis nas micro Rancho LG, Senai, Humberto Pereira, Popular Nova, Corcal, Paiva e UPA. Também houve bloqueio mecânico nas micro áreas Cerâmica, Rancho LG, Senai, Paiva, Corcal e Humberto Pereira.

 

Houve ainda visita educativa em casa notificada para Dengue e Zika vírus - Bairro Loteamento Pantanal e realização de orientações de combate aos vetores e oficinas para a produção de repelente caseiro (Citronela e Cravo da índia) no CRAS II, bairro Guatós.

 

O boletim epidemiológico traz informações referentes à dengue, zika vírus; chikungunya; leishmaniose; conjuntivite acidentes e violência e Vigilância Ambiental em Saúde.

 

Dengue

 

Até a semana 18 foram notificados 142 casos de Dengue, destes 07 foram confirmados. A dengue é uma doença febril aguda, de origem viral e de evolução benigna na forma clássica, e grave quando se apresenta na forma hemorrágica. Transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, a dengue é uma doença viral que se espalha rapidamente no mundo.

 

Vírus Zika

 

Até a semana 18 foram notificados 17 casos de Zika. A Zika é uma doença viral aguda, transmitida principalmente, pelos mosquitos Aedes Aegypti e Aedes albopictus, caracterizada por exantema manchas avermelhadas na pele, febre, vermelhidão nos olhos, dor nas articulações, dor de cabeça e dores musculares. A maior parte dos casos apresentam evolução benigna e os sintomas geralmente desaparecem espontaneamente após 3-7 dias.

 

Chikungunya

 

Até a semana 18 foram notificados 29 casos de Chikungunya destes, 03 casos foram confirmados nos bairros Nossa Senhora de Fatima, Guatós e Loteamento Pantanal. A transmissão se dá através da picada de fêmeas dos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus infectadas pelo vírus. Casos de transmissão vertical (transmissão da mãe para o filho durante a gestação ou durante o parto) podem ocorrer e, muitas vezes, provocam infecção neonatal grave. Pode ocorrer também transmissão por via transfusional (transfusão de sangue), considerada rara de acordo com protocolos analisados.


Voltar Imprimir Enviar Por Email

Notícias Outras Notícias

 

Campanhas Campanhas

 
Ouvidoria Geral
216-banner-ouvidoria-01